Resident Evil: Degeneration

janeiro 7, 2009

Comente este post no Fórum Omega Geek.

banner_cinema1

Ainda que relativos sucessos de bilheteria, é inegável que a trilogia de Paul W.S Anderson decepcionou a imensa maioria dos fãs de Resident Evil. O primeiro filme, devido à ambientação familiar e às inúmeras referências aos jogos, ainda conseguiu agradar a alguns; os demais, todavia, deturparam completamente a mitologia da série, chegando ao ponto de envolverem super-poderes (!), sendo universalmente execrados, tanto pelos fãs do jogo quanto por qualquer um com o mínimo de senso crítico.

A Capcom, produtora do jogo, é parcialmente culpada por isso, pois os filmes foram feitos com o seu aval. Ciente da insatisfação dos fãs – e possivelmente animada com os resultados obtidos pela Squarenix com Advent Children – ela produziu este Resident Evil: Degeneration. Cronologicamente ligado aos jogos, protagonizado pelos mesmos personagens de Residente Evil 2 e uma ponte-de-ligação entre o quarto e quinto jogo, além de ser 100% em CGI, aos moldes de Advent Children. Continue lendo »


Left 4 Dead: matar zumbis em equipe nunca foi tão divertido

novembro 27, 2008

Uma cidade sitiada por um vírus altamente contagioso, uma horda de zumbis violentos e alguns sobreviventes no meio de um verdadeiro caos de sangue e morte: A premissa já foi utilizada em vários jogos e filmes, como a série Resident Evil ou filmes como Extermínio, mas a Valve, responsável por jogos como Half-Life e Half-Life 2 conseguiu pegar essa base e trazê-la ao mundo online de uma maneira um tanto quanto diferente.

Left 4 Dead é baseado na mesma história de zumbis de sempre, como citado anteriormente, mas o que realmente chama a atenção é sua execução diferente. O conceito atual de jogo multiplayer tem abrangido vários métodos de interação social, tanto competitivamente quanto cooperativamente, muito embora, até então, esse último fosse apenas considerado “bônus” quando em jogo. Assim, é comum vermos jogos de FPS Multiplayer e seus “Rambos” tentando enfrentar o time todo sozinhos. Jogos como Battlefield e os próprios Team Fortress e o Team Fortress 2 da Valve tentam incentivar o trabalho em equipe por meio da separação por classes, mas tal metodologia ainda assim é ignorada por muitos dos jogadores, que preferem “resolver as coisas por si mesmos”.

Em Left 4 Dead, tais atitudes são brutalmente cerceadas. É possível, sim, se separar do grupo e tentar ser “o herói”, mas as chances de você sobreviver com isso são bem remotas, ainda mais nas maiores dificuldades. O jogo conta com uma tecnologia denominada Director AI, que de acordo com a performance dos jogadores, seu posicionamento e diversas outras variáveis redimensiona a quantidade de inimigos e dos assim chamados “Bosses”. Além disso, os Infected são velozes e vorazes: pulam barreiras, muros e fazem de tudo para atacar os sobreviventes. A explicação dada para isso é de que o vírus que os afeta é uma espécie de vírus da raiva, que os torna suscetíveis a atacar tudo que não tenha sido infectado sem pausa ou trégua.
Continue lendo »


Survival Horror: o terror no mundo dos games

novembro 13, 2008

Discuta esse artigo no Fórum Omega Geek

Ambiente escuro. Você é um homem aparentemente comum vestindo calça jeans e jaqueta e está sozinho em uma rua deserta, em meio à densa neblina em uma cidade estranha, na qual teve que parar porque seu carro quebrou. Enquanto caminha tentando encontrar alguém escuta passos e sons de objetos caindo, sem saber de onde vêm. Você grita buscando quem quer que esteja ouvindo; ninguém responde.

As poucas luzes acesas piscam, ameaçando apagarem-se completamente. Você encontra uma casa com uma porta aberta e, hesitante, entra para tentar encontrar alguém. Uma televisão ligada não sintonizada parece ser a única coisa “viva” na sala. Quadros e móveis estão fora do lugar. Você pensa ter escutado um som no andar de cima, um ranger de madeira velha, mas atravessa a escada que leva ao andar superior e vai até a cozinha, em silêncio. Em um armário entreaberto você vê escorrer um líquido vermelho. Você abre o armário para se certificar de seja lá o que for aquilo e… encontra o que parece ser uma cabeça humana, em decomposição.

Assustado e sem tempo para pensar no que acabou de ver você ouve mais sons no andar de cima, que agora parecem ser passos indo até a escada. Você sai da cozinha e olha para o alto, na outra extremidade da escada, somente para presenciar olhos brilhantes fitando você em meio a escuridão. Seja lá o que for aquilo, começa a vir em sua direção e revela no primeio raio de luz uma perna ensanguentada. Você corre para fora da casa, o mais rápido que pode; e depois para longe dela. Continue lendo »