Alcest

julho 12, 2010

Via O Neuromancista

Alcest é um daqueles raros casos de reinvenções bem-sucedidas. A banda começou como um projeto solo de Stéphane Paut, a.k.a Neige, que evoluiu para um trio com as inclusões de Arguth (baixo) e Hegnor (guitarra), ambos velhos conhecidos do Neige da época do Peste Noire, na qual ele tocou baixo por quatro anos.

Com essa formação, lançaram um EP (Tristesse Hivernale), caracterizado pela produção crua e pelo som brutal, características típicas da cena black metal francesa. Logo em seguida, contudo, a banda voltou a ser um projeto solo do Neige, que optou por drasticamente reformular o seu som.

Quatro anos depois do malfadado EP, Alcest lança Le Secret, consistindo de duas faixas antagônicas: a homônima, com um clima relaxante, uma ambientação nostálgica e vocais que lembram um pouco os de Jónsi, do Sigur Rós; e Elevation, que não se acharia deslocada num álbum tradicional de black metal.

Então, dois anos depois, a banda-de-um-homem-só presenteou a Humanidade com Souvenirs d’un autre monde, que revisita a paisagem sonora flertada em Le Secret, expandindo-a em seis faixas de 41 minuto. O álbum, inspirado pelas experiências oníricas de Neige na infância, conjura imagens nostálgicas e bucólicas, remetendo tanto ao shoegaze de Jesu quanto ao post-rock de Sigur Rós.

O segundo LP da “banda” – Écailles de lune -, lançado ainda neste ano, marcou o retorno dos vocais guturais do Neige, ausentes desde o segundo EP, mas preservando a nova identidade musical da banda.

Anúncios