Deu no New York Times

março 17, 2009

Discuta esse post no Forum Omega Geekbanner_literatura

Deu no New York Times - Larry Rohter

Larry Rohter - Deu no New York Times

Larry Rohter ficou famoso no Brasil em 2004 por quase ter sido expulso do país devido a uma matéria em que reportava sobre o notório gosto do presidente Lula por bebidas alcoólicas, e como isso estava gerando preocupação entre jornalistas e políticos.

O incidente, que quase gerou uma crise diplomática entre Brasil e Estados Unidos, acabou com a desistência do governo em expulsar o jornalista do país, porém com a falsa impressão de que este havia se retratado e pedido desculpas sobre o conteúdo do que escreveu, algo que não poderia estar mais longe da realidade.

Deu no New York Times apresenta os esclarecimentos de Rohter sobre o incidente, mas não se foca somente no episódio que tornou seu nome conhecido em todo o país. Através de reportagens sobre temas diversos, como cultura, política interna e Amazônia, o livro mostra que Rohter não é o americano com a visão estreita e deturpada do Brasil como foi apresentado pela mídia em 2004, muito pelo contrário.

Suas matérias possuem enfoques diferenciados e aprofundados sobre problemas e qualidades que passam batidas para muitos repórteres brasileiros com anos de carreira, demonstrando uma visão crítica, mas otimista, em relação ao país. Entretanto, a parte mais interessante do livro não são as matérias nele presentes, mas sim os comentários e análises que Rohter faz na introdução de cada capítulo.

deu-no-new-york-times-02

Larry Rohter

Passando por temas que abrangem desde o desprezo que a maioria dos brasileiros possuem sobre o trabalho manual até a maneira ufanista como muitos gostam de bradar que “a Amazônia é nossa” (embora não estejamos fazendo muito pelo seu bem), Rohter aborda pontos relevantes da mentalidade nacional, que se não vão necessariamente alterar o modo de pensar de seus leitores, ao menos servem como uma boa forma de gerar reflexão e discussões sobre a forma que os brasileiros são vistos mundialmente.



Um tratado sobre o Sertanejo

novembro 19, 2008

Discuta esse post no Fórum Omega Geekbanner_leitores

Praticando o ócio com alguns amigos meus, chegamos ao assunto da dupla sertaneja João Bosco & Vinícius. Eu juro para vocês que, na primeira vez que eu vi um anúncio dessa dupla, eu quase entrei em parafuso. “Peraí! O Vinícius não tinha morrido?”, pensei. Em um segundo momento eu racionalizei: “Ah bom! Deve ser o João Bosco tocando músicas do Vinícius! Eles vão vir pra Votuporanga? Não acredito! Eu vou!”.

Mas eu deveria ter tido um pouco mais de cautela em minha empolgação. Achei que fosse possível, afinal o Lobão quase (reparem no “quase”) veio aqui pra cidade. Na boate (única, aliás). Só não veio porque seu empresário foi muito sapeca e roubou dinheiro de meio mundo (foi o que chegou aos meus ouvidos). Imaginem a decepção que tive quando descobri que se tratava de uma infame dupla sertaneja, dessas que enfiam seus corações em leilões e ficam ricas vendendo órgãos como quem vende água.

Entendam: não tenho nada contra a música sertaneja. A lei não permite que você compre uma arma e saia atirando a esmo contra pobres estupr… digo… trabalhadores da música brasileira. Também não achei que a causa valesse o sacrifício de minha liberdade, então resolvi pensar em uma lista de sugestões para nomes de duplas sertanejas para enganar os mais entendidos. E, quem se sentir ofendido com alguma sugestão dada, que fique ofendido e guarde a sua ofensa para si porque eu não me importo nem um pouco. Continue lendo »