81ª Edição dos Prêmios da Academia (OSCAR)

fevereiro 23, 2009

Discuta esse artigo no Fórum Omega Geek

banner_cinema11

A cerimônia da Academia sempre foi luxuosa, engraçadinha e cheia dos mesmos protocolos. Esse ano, no entanto, foi decidido uma repaginação. Novos roteiristas entraram em ação (sim, os discursos são todos pré-definidos), a produção ficou mais enxuta e finalmente, depois de anos prometendo, conseguiram diminuir, pelo menos um pouco, o tempo de todo o show.

Hugh Jackman não precisou criar e improvisar diversas piadas com os presentes para poder tirar risadas. Primeiramente introduziu uma nova abertura com dança e música – que viria a ser o ponto alto da noite – com os grandes destaques da festa. Em outra cena de dança gritando a plenos pulmões que os musicais estavam de volta. Se a academia queria rejuvenescer ou dinamizar, encontrou um modelo perfeito: MTV Movie Awards. Esquete substituindo apresentadores (Pinaple Express), participação no meio da platéia (e o público que estava mais perto) e mudanças de cenário. Também foram retirados os clipes durante a cerimônia mostrando os cinco melhores do ano e colocando, dividido por gênero, todos os filmes lançados em 2008 (muitos que nunca seriam indicados ao Oscar).

A apresentação dos prêmios de melhor ator, atriz e seus coadjuvantes também foi inovada, dessa vez cinco padrinhos para fazer um pequeno discurso sobre o indicado. E devo dizer que o discurso dirigido a Anne Hathaway foi emocionante. A vencedora, Kate Winslet, deu um discurso categórico: “Desculpe, Meryl, você vai ter que engolir isso!”. Heath Ledger levou seu prêmio póstumo, ovacionado de pé e com discursos de seus pais e irmã. Quem ficará com a estatueta ainda é dúvida.

Continue lendo »


Batman – O Cavaleiro das Trevas

julho 19, 2008

A velha batalha entre o bem e o mal ganhou um novo episódio. Ou melhor, não é uma batalha entre bem e mal e sim uma batalha entre a ordem e caos. De um lado um herói ansioso por reconhecimento e do outro um vilão que não espera nada de ninguém, além de si mesmo. De um lado um herói que precisa seguir as regras e do outro um vilão sem regra nenhuma. E quando digo sem regras, é sem regra nenhuma mesmo, nem com os demais criminosos. O Coringa quer a destruição da ordem, quer questionar os limites, quer explodir e matar e, se possível dar umas boas risadas enquanto faz isso.
Continue lendo »