Left 4 Dead: matar zumbis em equipe nunca foi tão divertido

novembro 27, 2008

Uma cidade sitiada por um vírus altamente contagioso, uma horda de zumbis violentos e alguns sobreviventes no meio de um verdadeiro caos de sangue e morte: A premissa já foi utilizada em vários jogos e filmes, como a série Resident Evil ou filmes como Extermínio, mas a Valve, responsável por jogos como Half-Life e Half-Life 2 conseguiu pegar essa base e trazê-la ao mundo online de uma maneira um tanto quanto diferente.

Left 4 Dead é baseado na mesma história de zumbis de sempre, como citado anteriormente, mas o que realmente chama a atenção é sua execução diferente. O conceito atual de jogo multiplayer tem abrangido vários métodos de interação social, tanto competitivamente quanto cooperativamente, muito embora, até então, esse último fosse apenas considerado “bônus” quando em jogo. Assim, é comum vermos jogos de FPS Multiplayer e seus “Rambos” tentando enfrentar o time todo sozinhos. Jogos como Battlefield e os próprios Team Fortress e o Team Fortress 2 da Valve tentam incentivar o trabalho em equipe por meio da separação por classes, mas tal metodologia ainda assim é ignorada por muitos dos jogadores, que preferem “resolver as coisas por si mesmos”.

Em Left 4 Dead, tais atitudes são brutalmente cerceadas. É possível, sim, se separar do grupo e tentar ser “o herói”, mas as chances de você sobreviver com isso são bem remotas, ainda mais nas maiores dificuldades. O jogo conta com uma tecnologia denominada Director AI, que de acordo com a performance dos jogadores, seu posicionamento e diversas outras variáveis redimensiona a quantidade de inimigos e dos assim chamados “Bosses”. Além disso, os Infected são velozes e vorazes: pulam barreiras, muros e fazem de tudo para atacar os sobreviventes. A explicação dada para isso é de que o vírus que os afeta é uma espécie de vírus da raiva, que os torna suscetíveis a atacar tudo que não tenha sido infectado sem pausa ou trégua.
Continue lendo »