Do Androids Dream of Electric Sheep?

Discuta esse post no Fórum Omega Geek.

banner_literatura

51sik9l9xl_sl500_1

Após uma guerra conhecida como Terminus – que, na altura que o romance começa, ninguem sabe mais por que se deu ou por quem – a Terra se encontra em frangalhos, a maior porção de sua fauna e flora extinta, acometida por altos níveis de radiação que inevitavelmente aleijam a todos. As pessoas são instigadas a partirem para colônias em Marte. A maioria o faz – mas uma minoria decide permanecer nas ruínas da Terra, mesmo sob o risco de serem eventualmente classificadas como “especiais”, eufenismo para retardadas, alcunha que sela o destino do seu portador, tornando-o um pária, alguém efetivamente fora da Humanidade por carregar genes indesejáveis.

Nesse contexto vive o anti-heroi da história, Rick Deckard, um caçador de recompensas profissional especializado em “retirar” androides orgânicos, os quais escapam periodicamente de Marte para a Terra, ansiando por uma vida de liberdades. Os primeiros droides eram de fácil detecção, mas conforme a tecnologia progrediu tornou-se mais difícil distingui-los dos humanos, especialmente dos retardados.

A ferramenta instrumental para identificá-los é o Teste de Empatia Voigt-Kampff, que visa a denunciar o caráter inumano dos droides através de perguntas envolvendo temas sensíveis como torturas e estupros. Por serem incapazes de sentir empatia por outros seres, droides tendem a reagir com indiferença ou com respostas emocionais claramente fingidas. Decretada a artificialidade, “são retirados” (outro eufenismo, assassinato) e um teste em suas medúlas ósseas é feitos para confirmar o caráter artificial.

Após o caçador de recompensas de maior prestígio do seu departamento ser aleijado por um Nexus-6 (o modelo droide mais recente) enquanto tentava questioná-lo, Deckard é encarregado de localizar e retirar seis unidades do dito modelo. Com o farto pagamento, ele visa a comprar um animal; um animal de verdade.

(Em virtude da situação semi-inóspita em que a Terra se encontra, é um dever de todo cidadão possuir pelo menos um animal, alimentá-lo e mantê-lo saudável para a procriação. Deckard sempre quis um cavalo, mas não tinha condições de comprá-lo, então se contentou com uma ovelha – a qual morreu, um ano antes, de tétano, obrigando-o a optar por um artigo falso que impetuosamente mina a sua auto-estima.)

Ele divide os holofotes com John Isidore, um especial que vive sozinho num condomínio que costumava ser densamente habitado. Ele trabalha para uma Clínica Veterinária de fachada que na verdade constroi e conserta animais eletrônicos. Ele cruza caminhos com três dos Nexus-6 refugiados, oferendo-lhes abrigo e companhia, visto que eles pelo menos o tratam com indiferença, não com desprezo.

Mas Será que Androides Sonham com Ovelhas Elétricas? não se trata apenas de um típico enredo sci-fi temperado com ação e robôs, é muitro mais do que isso; a obra, em seu âmago, é uma análise cínica do sentimento mais peculiar do ser humano, aquele que nos distingue de todos os outros animais: a empatia, ou seja, a capacidade de nos identificarmos com o outro.

o_cacador_de_androides

Após um certo incidente no decurso da história, Deckard se torna progressivamente inseguro em relação ao papel que desempenha. Ele começa a questionar se existe uma diferença realmente significativa entre nós e os androides, visto que aquilo que teoricamente nos separa deles – a empatia – se mostra cada vez menos nítido. Afinal, se ele se mostrava indiferente para com os droides que retirava, no que ele se diferenciava de um típico droide?

Todavia, o aspecto mais fascinante da novela – e que evidencia a genialidade do autor – é a religião. O mercerismo. A religião predominante no cenário do romance. Conectando-se através de uma “caixa de empatia”, é possível vivenciar, numa orgia de emoções compartilhados, a saga de um homem subindo ao topo de uma montanha, sob duras penas e constante ataques de pedras e das forças da natureza, apenas para recomeçar tudo novamente. Tal indivíduo é Wilbur Mercer, o Deus/messias da dita religião e que desempenha um papel fundamental nos momentos finais do romance. Essa é a manifestação mais clara dos devaneios filosóficos de Philip K. Dick, uma que admito não ter compreendido completamente.

No Brasil, Do Androids Dream of Electric Sheep? foi publicado pela Editora Rocco sob o (estúpido) título O Caçador de Andróides. Não consigo imaginar título mais genérico para uma obra de ficção-científica que esse. Se desejavam torná-lo mais acessível/comercialmente apelativo, que o tivessem chamado logo de Blade Runner, a fim de associá-lo de uma vez com a sua contraparte cinematográfica.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: