O curioso caso de Benjamin Button

Discuta esse post no Fórum Omega Geek banner_cinema1

postercc

A passagem do tempo. Esse é um dos grandes inimigos do homem, talvez depois do medo da morte, o medo de envelhecer seja um dos temores que mais afligem a humanidade. Inúmeros filósofos já discorreram sobre a passagem do tempo e seus efeitos sobre o homem e a pressão que esse inimigo lento, invisível e inevitável causa em nossas vidas. Mas o tempo e a passagem dele já foi tema de inúmeros filmes também.

No cinema um dos exemplos que podemos citar é Feitiço do Tempo, não é uma obra prima. Neste filme Bill Murray, enfeitiçado, é condenado a viver o mesmo dia eternamente, vivendo as mesmas situações repetidamente. Apesar do filme não ser brilhante como já foi falado, ele trata o tempo de uma maneira incomum, inserindo um elemento fantástico que é o fio condutor de toda a trama.

Mas esse post não é sobre o filme O curioso caso de Benjamin Button? Sim, e é justamente por esse filme também beber dessa fonte, do misterioso, sobrenatural, fantástico – chamem como quiserem – que esta introdução é importante. Toda a trama do filme de David Fincher é baseada em um fato incomum. Um homem que nasce com mais de oitenta anos, em todos os aspectos: físicos, de sáude e mentais. Não fosse apenas este fato incomum o protagonista, Benjamin, vai rejuvenescendo ao longo da história, contrariando a lógica e tudo que conhecemos.

cc1

O filme não se apóia totalmente no elemento fantástico para conduzir sua história. É uma história de luta, onde o protagonista enfrenta diversas dificuldades, descobre o valor da amizade e encontro um grande amor. Poderia ser um filme como qualquer outro drama, não fosse a o efeito inverso que a passagem da tempo tem sobre o protagonista.

ccBaseado em um romance de F. Scott Fitzgerald, o filme começa em 1918, com o final da Primeira Guerra Mundial e o nascimento de Benjamin. A mãe do menino morre no parto e devido a sua aparência bizarra, Benjamin é abandonado pelo pai. A sorte do bebê é ser encontrado por Quennie, uma empregada de um asilo de idosos, onde Benjamin é criado, ironicamente em meio a pessoas que possuem a mesma aparência que ele, mas que já estão no fim de suas vidas.

Um dos trunfos do filme são os efeitos especiais e a maquiagem dos personagens. Uma das coisas que impressiona é ver que o bebê, realmente se parece com Brad Pitt se ele fosse um senhor de oitenta e poucos anos. A mágica se deve a ‘pintura digital’, que utiliza como máscara o rosto do ator, envelhecido e mesclado ao corpo de um bebê, acrescentando-se o trabalho de sincronizar as expressões faciais, iluminação, rugas, manchas na pele, etc. O resultado é inacreditável.

cc3A mágica se repete mais próximo do final do filme quando Benjamim, próximo aos ciquenta anos, tem uma aparência jovial, quase adolescente, quem nem o próprio Brad Pitt possui mais. A atriz Cate Blanchett que interpreta o par romântico de Pitt passa pelo mesmo processo e rejuvesnece a olhos vistos na edição digital e muita maquiagem. A jovem Daisy, papel da atriz, é uma representação perfeita de Cate adolescente.

Outra característica marcante do longa é a narração, que em vários momentos lembra o filme de Tim Burton, peixe Grande, mas sem o clima alegre e ao mesmo tempo sombrio do filme de Burton. No caso de o Curioso caso de Benjamin Button, há um maior apelo a realidade. A história é vendida como se fosse real, como se pudesse acontecer com o amigo do seu vizinho, aquele tipo de história que nunca vimos acontecer realmente, mas que, ainda assim, é possível acreditar nela.

Obviamente esse fio condutor absurdo é ao mesmo tempo o ponto fraco do filme ,  justamente pelo conformismo dos personagens perante a situação de Benjamin. Nenhum deles questiona o motivo desse nascimento – que é até sugerido para quem está assistindo o filme, como um segredo entre o diretor e a platéia, mas que não é compartilhado com os personagens. Tirando esse pequeno problema o filme é emocionante, tem o ritmo certo, não é cansativo, mesmo com suas quase três horas de história. Acompanhamos Benjamin em suas aventuras, visitando um prostíbulo pela primeira vez, trabalhando em um barco, conhecendo a Rússia e lutando na Segunda Guerra Mundial. É um filme envolvente,  belo e triste, que nos faz torcer pelo casal de protagonistas, para que o amor entre os dois resista a inevitável passagem do tempo, mesmo que ela seja extraordinariamente incomum.

 

cc2

3 respostas para O curioso caso de Benjamin Button

  1. Nossa!Parabéns!Excelente análise!Estou louca para assisitir esse filme. Mas a promessa do ano mesmo, para os mais nerds será o Watchmen.Estou nas espectativas com esse filme. Rorschach e Doctor Manhattan são os meus heróis favoritos.

    Utta!

  2. Que análise!
    Assisti ao filme por sugestão de uma professora de Literatura Americana, URCA-Ce, e de fato concordo em dizeres que o filme é “envolvente”.
    A turma ficou atenta a cada cena, na espectativa de ver o desfecho do filme. Foi uma ideia fantástica de David Fincher em mostrar , mesmo que na ficção, uma
    cena tantas vezes imaginada por muitos seres humanos.
    Legal!

  3. vivianne disse:

    eu adorei esse filme da vontade de assistir todo dia

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: