Quando o merchandising se torna mais importante que a música

Discuta esta postagem no Fórum Omega Geek, clicando aqui

Estava eu lendo alguns sites sobre música, como faço diariamente, quando me deparo com esta notícia. Nada surpreendente para quem conhece o KISS, banda que consegue imprimir sua marca em qualquer produto, desde escovas e pastas de dente, passando por bolas de praia, toalhas de banho e até caixões. Apesar de não figurar entre minhas bandas favoritas, tenho que reconhecer que o KISS tem músicas divertidas, e acima de tudo, um front-man que sabe ganhar dinheiro. Gene Simmons pode ser arrogante, feio que nem o diabo e não ter tanta técnica ao tocar seu baixo, mas se tem algo que ele saber fazer, e muito bem, é lucrar rios de dinheiro com tudo o que faz.

Cartas e fichas de poker com a marca KISS

Cartas e fichas de poker com a marca KISS

O KISS não é a única banda a fazer esse tipo de coisa, longe disso. O Iron Maiden, por exemplo, também possui diversos outros produtos relacionados à sua marca, como tênis e um jogo de videogame, além das já tradicionais linhas de camisetas e munhequeiras (qual banda não tem isso atualmente?). Mas o KISS me parece um caso diferente, já que parece ter se transformado em um produto independente da produção musical do grupo ou não.

Chaveiro com o "demônio" Gene Simmons

Chaveiro com o "demônio" Gene Simmons

Explico: desde 1998, com a reunião dos membros originais e o lançamento de Psycho Circus, o KISS nunca mais produziu material inédito. Sim, outras bandas já tiveram pausas tão grande ou maiores entre o lançamento de um e outro álbum (que o diga Axl Rose e o já lendário Chinese Democracy, que reza a lenda só vai ser lançado quando Cuba deixar de ser comunista), mas nesses dez anos, as únicas notícias sobre o KISS vieram da seguinte forma: alguma briga envolvendo os membros originais, mudanças de formação, a vida pessoal de Gene Simmons, o anúncio de algum turnê “greatest hits”, e é claro, o lançamento de novos produtos com a marca.

Paul Stanley inclusive chegou a declarar em uma entrevista que os fãs não querem um novo álbum, já que para eles está mais do que bom poder ouvir a banda tocando as músicas antigas. Isso até pode ser verdade para algumas pessoas, mas pelo menos para mim, quando gosto de uma banda, quero mais é que produzam ainda mais material novo, dessa forma criando novas músicas “clássicas” e renovando o público da mesma. Já Gene Simmons aponta a pirataria como a grande culpada, já que atualmente ninguém mais lucra com a venda de discos. Nessa hora, Simmons parece propositalmente fingir ignorar que o grande lucro do KISS e de qualquer banda nos últimos anos vêm mais do merchandise associado ao seu nome e à venda de ingressos de shows do que propriamente da venda de álbuns, que traz mais lucro para as gravadoras em si do que para os artistas.

O famoso KISS Kasket

O famoso KISS Kasket

A intenção desse post não é falar mal do KISS e dizer que é uma banda que nunca fez nada que prestasse, vivendo só de propaganda – longe disso. O que quero aqui é propor a seguinte discussão: até que ponto a música da banda não se tornou algo secundário, virando nada mais do que um “bônus” associado à marca KISS? E na opinião de vocês, leitores do blog, que outra banda também seguiu por esse caminho, virando mais uma marca como Nike ou McDonald’s e se distanciando do caminho da música?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: