A transição do 2D para o 3D nos games: Séries que não deram certo

agosto 28, 2008

Discuta essa postagem no Fórum Omega Geek, clicando aqui.

Post Semanal de Games

Essa é a primeira de duas partes de um artigo que trata da transição do mundo 2D para o 3D nos games. Semana que vem falaremos sobre séries que deram certo e razões que fazem, em geral, as transições darem certo ou não.

Tendo se tornado um meio importante dentro do mundo moderno, os vídeo games têm se dado até ao luxo de “reviver” tendências do passado, assim como se perdem e se renovam tendências da moda ou técnicas de cinema em grandes produções.

Quem imaginaria que depois da preocupante transição dos jogos 2D para o 3D que assolou (principalmente negativamente) a vida de muitos gamers, diversos games voltassem às suas raízes para trazer versões 2D primorosas de suas aparentemente esquecidas séries. É o caso de Megaman, que em um surpreendente visual de 8 bits adaptados à alta resolução das TVs atuais, reapareceu na seqüência de sua mais antiga série, em Megaman 9, inicialmente lançado para para Xbox 360. E isso considerando que jogo tranqüilamente rodaria em um antigo NES. Ele não está sozinho. Com a ajuda dos portáteis séries como Castlevania receberam jogos inteiramente novos em 2D (Portrait of Ruin e Dawn of Sorrow, para DS), ainda que as plataformas dessa geração suportem gráficos em 3D.

Existem duas principais razões para esses e outros títulos terem escolhido se manter no mundo 2D:

1 – Eles literalmente já fracassaram na tentativa de transição para o 3D
2 – Nem tudo fica tão bom em 3D quanto fica em 2D (alguns só descobriram errando). Continue lendo »