Tecnologia para poucos

abril 17, 2008

Hey there, BNs!

Como post de estréia aqui no BNBlog, queria falar um pouco sobre tecnologia. ^^

Não muito tempo atrás, para alguém ser considerado “geek” ou “nerd”, bastava ter uma HP de bolso, óculos, calças acima da cintura, ou um PC que rodasse mais de 256MB de RAM.

Mas hoje as coisas são um pouco diferentes. Ter um iPod, um iTouch, um Notebook ou até mesmo um celular moderninho que tire fotos, são considerados ítens quase que obrigatórios pra quem quer estar na moda “geek”. Porém, algumas pessoas e até algumas empresas vão muito além disso.

Cravar diamantes, ouro ou outras pedras preciosas em objetos banais já não é novidade. Agora, juntar essa idéia com tecnologia, parece ainda mais longe da nossa realidade! Será? Acho que não.

Vejam o que algumas empresas (especialiazadas, claro) americanas e européias fizeram com alguns dos ícones da moda geek atual:
iPod Shuffle cravado com diamantes/ouro feito na Noruega. Preço: R$ 34 mil (ai meu Shuffle rosa!)

Pendrive com 456 brilhantes encrustados e 4GB. Preço: R$ 49 mil. (será que aceitam cheques?) (veja o site oficial).

iPod inglês de ouro 24 quilates (ui!). Preço: R$ 1,4 mil (veja o site oficial)

MacBook Pro banhado a ouro dos EUA. O cliente pode optar por ouro tradicional, rosê e branco ou platina. (!!!) (veja o site oficial)

TV adornada com rubis de 32, 40 ou 46 polegadas. (Ótima pra colocar na parede da sala, só pra fazer inveja!). Preço: R$ 144 mil. (veja site oficial)

Nokia N95 mais “modesto”: 325 diamantes e revestimento em ouro 18 quilates. (vi uma capinha de celular que imitava os diamantes na Santa. ^^). Preço: R$ 40 mil. (veja o site oficial)

Ok, se você é como eu, que gosta de tecnologia, mas não é tão exigente assim, continue vendo mais objetos que estão beeeem longe dos nossos humildes bolsos aqui. =P

Anúncios

Review – Final Fantasy VI Advance

abril 17, 2008

Prós
+ É Final Fantasy VI portátil
+ Mantém todo o conteúdo original corrigindo bugs
+ Dungeons e Espers secretos estendem a aventura

Contras
– Está mais para um port do que para um remake
– Músicas perdem qualidade sem o uso de um fone de ouvido

Final Fantasy VI Advance completa a lista de remakes da série lançados para o Game Boy Advance. É impressionante notar como o jogo envelheceu bem, mesmo seu lançamento tendo sido há mais de 10 anos, a história ainda prende do início ao fim, e o sistema de jogo se mantém um dos melhores da série.

Não vou entrar muito em detalhes na história, já que todo fã de bons RPGs tem quase obrigação de conhecer esse jogo: Há milhares de anos, houve uma grande guerra entre os humanos e os espers, que culminou no desaparecimento de toda a magia do mundo, no que ficou conhecido como War of the Magi.

No presente, um grande império está estendendo seus domínios, conquistando todos que se opõe a seus planos. Para isso, faz experimentos que têm como objetivo reviver e controlar a magia há muito tempo perdida. O jogador é apresentado à história de Terra, um dos experimentos do império que acaba escapando do controle deste, e que parte em uma busca para descobrir seu passado, que culmina com sua recrutação pelos Returners, um grupo que pretende acabar com os planos do império.

Nesse processo você vai encontrar diversos personagens marcantes, cada um com sua própria história e motivação, que culminam com a salvação do mundo. Os personagens de FFVI quase todos ser extremamente marcantes, e todos (com exceção de Gogo e Umaro, personagens extras) possuem um passado que justifica suas ações.

Até hoje, estes podem ser considerados alguns dos personagens mais bem desenvolvidos que já apareceram em qualquer RPG (e o mais impressionante é que a quantidade de personagens é bastante grande, é possível ter 13 personagens ao todo no final do jogo).

Ao contrário dos demais remakes lançados para o portátil, não houve alterações gráficas nem sonoras significantes, o jogo continua com a mesma qualidade que tinha quando foi lançado para o SNES, provavelmente o único ponto que se nota é que a resolução do jogo está um pouco melhor, mas nada que seja tão relevante.
Mas mesmo sem mudanças, os gráficos são os melhores dentre essa série de remakes, e mesmo com as limitações de um jogo de mais de 10 anos, ainda consegue passar perfeitamente as emoções dos personagens, os diversos ambientes pelo qual seu grupo passa, os efeitos de magia, enfim, não perde em nada para os demais jogos do portátil.

Basicamente Final Fantasy VI permanece o mesmo jogo que era no SNES, com a correção de alguns bugs (cheaters, digam adeus pra tática “Vanish + X-Zone”), e adequação de nomes de magias para o padrão atual da série (Fire 1, 2 e 3 virou Fire, Fira e Firaga, por exemplo). Além disso, o mais evidente é a revisão feita no roteiro, com diversos pontos que provocavam duvidas sendo modificados, o que proporciona um entendimento bem melhor da história. Fora isso, há dois novos dungeons secretos, abertos depois de finalizar o jogo uma vez e a adição de alguns espers novos.

Final Fantasy VI Advance é um jogo obrigatório para quem possui o portátil e está à procura de um bom RPG. Apesar da sua idade, o jogo envelheceu muito bem, conservando todo o carisma de sua história e personagens que marcaram o fim da série nos consoles de 16 bits.


Como ficar famoso na internet?

abril 17, 2008


Ser famoso é objetivo de vida de muita gente. O glamour, os flashes dos fotógrafos, passeios na Ilha e no Castelo de Caras, ser entrevistado pelo Amaury Jr.; tudo isso vem em decorrência da famosidade. Apesar de tudo, não é um caminho fácil: poucos são os que conseguem a fama de maneira duradoura por grandes períodos. Já conseguir os 15 minutos de fama profetizados por Andy Warhol é uma tarefa menos árdua, ainda mais nos atuais tempos das interwebs.

Prova disso é o cantor Tay Zonday. Sem meios ($$$) para divulgar seu trabalho para um público mais amplo que sua mãe e seu tio surdo, ele fez algo comum hoje em dia: gravou sua própria performance e colocou no Youtube. Dito e feito: seu vídeo intitulado Chocolate Rain virou um hit da web com quase 20 milhões de exibições, graças a seu jeito peculiar de cantar, afastando-se do microfone na hora de respirar.

Graças a sua populariadade online, Zonday gravou uma versão remixada de Chocolate Rain com dois rappers. Também participou do Jimmy Kimmel’s Show e do Lilly Allen and Friends, da homônima cantora. E é claro que os “fãs” do cantor também fizeram suas próprias versões do hit Chocolate Rain.

Chocolate Rain na propaganda do McDonnald’s.

Chocolate Rain 8 bit remix.

Pra quem quiser conhecer mais sobre o cantor, basta ir aqui ou aqui.


Imagem do dia (4)

abril 17, 2008


Aproveitando que o DW ainda não passou por aqui, vou postar a imagem de hoje e fazer assim minha estréia no BNBlog 🙂

Aproveitem a promoção!