Os Maiores Super-Herois do Mundo – Eles estão entre nós

Discuta este post também no fórum OmegaGeek

liga

Eu confesso, nunca fui um grande fã da DC Comics, tirando momentos isolados em que tive uma paixão passageira por alguns títulos como Superman e Novos Titãs a DC sempre teve em mim um efeito mais nostálgico, devido ao famoso desenho Superamigos, que alegrou várias manhãs nas quais sentava em frente a TV para ouvir o famoso bordão “Enquanto isso na sala de Justiça”.

Ler os quadrinhos da DC sempre me remetia a infância, acompanhando os feitos de Superman, Batman, Mulher Maravilha e Cia. Mas o tempo foi passando e fui me distanciando desses herois, suas histórias me pareciam muito ingênuas e os personagens da DC tinham um caráter mais de divindade que os tornavam tão distantes dos simples mortais. Foi aí que me descobri fã da Marvel e seus herois “amigos da vizinhança” com problemas normais, dilemas morais e éticos, mas muito mais humanos.

Entretanto neste novo milênio estou deixando que a DC retorne para minha vida, estou redescobrindo vários personagens e percebendo que muitas das ‘divindades’ desceram do pedestal e caminham entre os humanos. Uma das primeiras obras que me fez olhar a DC com outros olhos foi a magnífica graphic novel O Reino do Amanhã – sobre a qual já escrevi anteriormente. Desde então tenho acompanhado descompromissadamente as histórias dos herois da DC.

E um dos momentos mais marcantes nessa última década foram os trabalhos de Alex Ross, tornando esses personagens mais reais a nossos olhos. E os grandes ícones da DC foram retratados maravilhosamente em quatro álbuns publicados anteriormente separadamente e reunidas numa edição de luxo agora chamada Os Maiores Super-Herois do Mundo. Cada edição publicada separadamente foi dedicada aos seguintes herois: Superman, Batman, Mulher Maravilha e Shazam, mas esta edição traz ainda uma história dedicada a Liga da Justiça. Antes de falarmos de cada uma das histórias é importante ressaltar a importância dessa obra para os quadrinhos.

Quem conhece a arte de Alex Ross, conhece a qualidade e beleza de seu trabalho, não vou nem ficar aqui elogiando o artista, pois seria chover no molhado. O traço que considero mais importante nessa obra é a contextualização do mito do ‘super-heroi’ nos dias atuais.

Quando a Era de Ouro da DC começou, o surgimento dos super-herois da Editora injetaram novo fôlego na indústria de quadrinhos, criando ícones que se tornaram referência para a mitologia do super-heroi. Superman, criado em 1938, trazia um lado de ficção científica, o alienígena que chega a terra, que aprende a viver entre os humanos e se torna um de nós. Ao surgir o heroi não enfrentava supervilões, mas sim criminosos normais e até mesmo senhorios que exploravam seus inquilinos. O personagem tinha uma ingenuidade que retratava de forma simples os problemas sociais de sua época.

Primeiras histórias

Primeiras histórias

No ano seguinte à criação do Superman, surgiu um super-heroi, muito mais humano, que na verdade nem tinha super-poderes, mas nem por isso era menos importante que o Superman. Batman tinha suas origens no assassinato de seus pais, ainda criança, que o levou a combater o crime, ao se tornar adulto. Escondendo-se sobre a égide do morcego, Batman era herdeiro dos romances policiais.

Em 1941 surge a Mulher-Maravilha. Criada pelo psicólogo William Moulton Marston, a princesa Diana era uma versão feminina do heroi superpoderoso delegado a uma mulher nos quadrinhos. A Mulher Maravilha representava o ideal de igualdade que as mulheres já buscavam e a personagem veio a se tornar um importante símbolo feminista de que as mulheres eram tão capazes de grandes feitos quanto os homens. A origem da heroína tinha raízes profundas na mitologia.

run, diana, run

run diana, run

Shazam era um personagem totalmente inspirado no Superman. Numa época em que, devido ao sucesso do super-heroi, todos queriam ser mais poderoso que o grande ícone da DC Comics. Shazam não era alienígena, sua origem era resultado de magia – o menino Billy Batson ganhou seus poderes de um mago e se transforma no herói ao dizer o nome do mago que na verdade são as iniciais de Salomão, Hércules, Atlas, Zeus, Aquiles e Mercúrio – mas nos demais aspectos Shazam era muito parecido com o Super. Possuía uma identidade secreta, voava, tinha super-força, etc… Essa semelhança inclusive resultou num processo de plágio, o qual a DC Comics venceu e o personagem só deu as caras nos quadrinhos quando a DC, comprou os direitos do personagem e passou a publicar as histórias do heroi reconhecendo o potencial do alter-ego de Billy Batson.

Esse pequeno resumo das origens destes herois é para contextualizar o que Paul Dini e Alex Ross, fizeram neste álbum Os Maiores Herois do mundo. Vivemos num mundo cheio de problemas, fome, violência, racismo, discriminação, doenças, etc. Não seria muito mais fácil resolver estes problemas se tivéssemos a ajuda de super-herois? Se quando o mundo mais precisasse de ajuda a resposta viesse literalmente dos céus, sob uma capa tremulante, a sombra de um morcego na noite, no brilho da verdade, ou num raio de esperança? É justamente essa pergunta que a dupla de artistas fez e a resposta esta nessa brilhante graphic novel que me fez resgatar o prazer em ler as aventuras dos herois da DC Comics.

Em Superman: Paz na Terra, vemos o Superman enfrentando um inimigo muito poderoso e cruel, cujos dedos esqueléticos afligem milhões de pessoas pelo mundo, que mata impiedosamente adultos e crianças: a Fome. Superman então em frente a esse inimigo decide usar seus poderes para tentar acabar com a fome no mundo. E ao final da história chega a uma conclusão trágica de quem nem mesmo um mais poderoso dos heróis pode enfrentar um vilão tão poderoso sem ajuda.

Superman no combate à fome.

Superman no combate à fome.

A segunda história é mais sombria, e justamente por esta razão, seu protagonista é o homem-morcego. Em Batman: Guerra contra o Crime, Batman continua sua cruzada pelas ruas de Gotham City, a história mostra como as drogas podem destruir a vida de uma pessoa, não apenas fisicamente, mas consumindo a própria alma de quem se envolve com o tráfico. E ao final da história Batman mostra que a vida é feita de escolhas.

Batman, nas sombras, sempre vigilante

Batman, nas sombras, sempre vigilante

Em Shazam: O poder da Esperança. O herói enfrenta o problema da violência infantil e da doença atingindo crianças indefesas. Mostra que cada pessoa pode fazer diferença em tornar menos dolorosa à vida de crianças que enfrentam, além da doença que as aflige, o medo e a solidão. Shazam descobre que a fé das crianças arde resplandecente, mas que sempre deve ser acalentada para que jamais se apague. A história é bem apropriada já que o próprio alter-ego do heroi é na verdade uma criança.

Shazam e o poder da esperança

Shazam e o poder da esperança

A última história individual é Mulher Maravilha: O Espírito da Verdade. Nesta história vemos a heroína enfrentando o preconceito contra a mulher. Em um momento que a própria Mulher-Maravilha questiona sua relevância para o mundo do patriarcado, acompanhamos a heroína reaprendendo a ser humana, se aproximando de nós, redescobrindo nossa fragilidade, sentindo nosso sofrimento e dessa forma redescobrindo seu valor e sua importância para a humanidade. Sempre subestimada por ser um avatar da paz, essa história também deixa claro que, apesar da nobreza de espírito, ainda sim a Princesa Diana é uma guerreira.

Ela é o espirito da verdade

Ela é o espírito da verdade

A história que encerra o álbum traz uma versão clássica da Liga da Justiça, composta por Superman, Batman, Mulher-Maravilha, Lanterna verde, Aquaman, Flash, Arqueiro Verde, Canário Negro, Ajax o marciano, Eléktron, Homem Elástico, Gavião Negro e Mulher Gavião, além de alguns heróis que fazem aparições relâmpago durante a história. Em Liberdade e Justiça, vemos a Liga enfrentando um inimigo invisível, rápido e letal, um vírus vindo do espaço capaz de erradicar a própria vida na terra.

Enquanto buscam uma cura para o vírus, a própria liga enfrenta a ira dos homens que acreditam que própria liga tem algo a ver com a chegada do vírus. Durante a história acompanhamos os herois espalhados pelos quatro cantos do mundo, correndo contra o tempo para lutar contra o vírus e mostrar que mais do que aliados os super-herois são amigos da humanidade, ou melhor, são nossos Superamigos.

About these ads

2 respostas para Os Maiores Super-Herois do Mundo – Eles estão entre nós

  1. anna luiza disse:

    po muito legal essas historias….bjs

  2. Diego disse:

    Eu acho que em kingdom come uma das coisas que mais me fizeram ter arrepios foi o combate entre superman e shazam, onde shazam tem a mente controlada e passa a ter ódio de superman. Gostei do superman de alex ross, ele era mais maduro, menos crédulo na humanidade, mais real como você disse… Acho que esse tipo de heroi da muito mais gosto de ler pois mostra que nem sempre lutar “pela justiça” é o certo a se fazer. Paz na terra é um bom exemplo disso, quando o superman resolve usar seus poderes pra acabar com a fome ele vê que não é “justo” dar aos humanos algo que eles próprios precisam lutar… Lutar pela sobrevivencia :P
    Gostei da sua postagem, belo blog

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: